Coordenação

Filipe Figueiredo
Filipe Figueiredo é investigador do Centro de Estudos de Teatro (FLUL), onde coordena a Linha de Investigação “Teatro e Imagem”. Desenvolveu estudos de mestrado em História da Arte (FCHS/UNL) com incidência na obra de Domingos Alvão e na fotografia portuguesa na primeira metade do século XX. Integrou o projeto OPSIS — Base Iconográfica de Teatro em Portugal (2008-10) (CET/FLUL) e tem colaborado em diversas iniciativas e projetos no cruzamento dos estudos de imagem com os estudos teatrais e performativos e de pesquisa e análise iconográfica. Doutorado em Estudos Artísticos (FLUL, 2016), com uma tese dedicada aos modelos e práticas da fotografia de teatro em Portugal — «O Insustentável Desejo da Memória (1868-1974)» (bolseiro FCT) —, é, atualmente, investigador responsável, com Cosimo Chiarelli, do projeto PERPHOTO — Dramaturgias do Olhar. Cruzamentos entre Fotografia e Teatro no Contexto Português e Internacional (PTDC/ART-PER/31693/2017). Foi professor adjunto na ESTAL — Escola Superior de Tecnologias e Artes de Lisboa (até 2019) e é professor auxiliar no IADE — Universidade Europeia. Recentemente, participou na curadoria das exposição “Amélia” (TNDM II, 2018) e “José Marques: fotógrafo em cena” (TNDM II, 2019). É membro do Conselho Editorial da revista Sinais de Cena (CET/APCT) e da Comissão organizadora da conferência internacional Stereo & Immersive Media (2018-2020) (Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias – ULHT).

Cosimo Chiarelli
Historiador da fotografia e da cultura visual, Cosimo Chiarelli é investigador integrado do Centro de Estudos de Teatro (FLUL). Os seus interesses de investigação focam-se principalmente nos cruzamentos entre a fotografia e as artes performativas desde o século XIX até à contemporaneidade. Docente de História da fotografia em diversas universidades italianas (Pisa, Florença, Siena), mudou-se posteriormente para França, convidado pela Bibliothèque Nationale de France com um projecto de investigação sobre “Fotografia e Mimo” (Bourse Roederer pour la photographie 2008). Doutorado em História e Civilização pelo Instituto Universitário Europeu de Florença em 2012, foi visiting fellow na Universidade de Austin – Texas, USA (Harry Ransom Center Research Fellowship in the Humanities, 2013). Entre 2014 e 2016 foi investigador de pós-doutoramento na Universidade de Lyon 2, onde, entre outros resultados, organizou em 2015 a conferência internacional sobre Théâtre et Photographie. Croisements, échanges, écarts autour de la performance. Desde 2016 é também investigador associado da Universidade de Paris VIII. Paralelamente à atividade de investigação, é igualmente curador de exposições, nomeadamente para o Museu dos Uffizi e o Museu Alinari em Florença, o Museu Nacional de Arte Moderna em Roma, o Tokyo Museum of Photography, la Bibliotheque Nationale de France, e o Museu Nacional de Teatro e da Dança de Lisboa. Dirigiu, em colaboração com Massimo Agus, o Centro per la Fotografia dello Spettacolo de San Miniato, e o Festival internacional de fotografia de Teatro “Occhi di Scena”. Membro fundador da Sociedade Italiana para Estudo da Fotografia (SISF), integra atualmente o conselho editorial da revista RSF (Rivista di Studi di Fotografia).

Consultores

Maria Ines Aliverti
Maria Ines Aliverti, foi Professora Associada no Departamento de História da Arte na Universidade de Pisa, lecionou História do Teatro, Iconografia do Teatro, História da Cenografia. Foi membro do comité diretor da Rede Científica de Iconografia Científica do Teatro Europeu (European Science Foundation, 1997-2000); e de Europa Triumphans (Centro AHRC para o Estudo das Elites do Renascimento e das Culturas da Corte na Universidade de Warwick 1998-2004). Contribuiu para Dionysos – Arquivo Digital sobre Iconografia de Teatro (Università di Firenze). Colabora regularmente com a Université Paris III-Sorbonne Nouvelle (Instituto de Pesquisa em Estudos Théâtrales), onde foi professora visitante em 2001, e com a Université Paris IV Sorbonne (UFR d’Etudes Italiennes), tanto na oreintação de teses de doutoramento, quanto em seminários e conferências. Deu palestras em várias universidades italianas e europeias e institutos de estudos avançados; participou como delegada em muitas conferências internacionais. O seu campo de pesquisa são os Festivais da Corte do Renascimento, a Commedia dell’Arte, a iconografia do teatro francês e inglês do século XVIII, a mise-en-scène do século XX (principalmente Edward G. Craig e Jacques Copeau). Foi editora e colaboradora da obra JR Mulryne, Helen Watanabe-O’Kelly e Margaret Shewring (gen. Eds), Europa Triumphans: Festivais cívicos e judiciais no início da Europa moderna (Aldershot UK e Burlington VT: Ashgate, 2004) do grupo de livros do Festival de Génova. Em colaboração com Ronnie J. Mulryne e Anna Maria Testaverde, organizou a conferência da Society for European Festival Research in Bergamo (2012) que resultou na publicação Entradas Cerimoniais no início da Europa Moderna: The Iconography of Power, (J.R. Mulryne, M.I. Aliverti, A.M. Testaverde eds.), Farnham UK e Burlington VT: Ashgate 2015. É autora de ensaios pioneiros sobre iconografia e iconologia de teatro. As suas publicações incluem as seguintes monografias: Jacques Copeau (Bari: Laterza, 1988), Poesia fuggitiva sugli attori nell’età di Voltaire (Roma: Bulzoni, 1993), La naissance de l’acteur moderne.  L’acteur et son portrait au XVIIIe siècle (Paris: Gallimard, 1998), Una scena di città attribuita a Sebastiano Serlio: Breve saggio di iconologia teatrale (Pisa: ETS, 2008). Em colaboração com Marco Consolini (Université Paris III), editou os Registres de Jacques Copeau, Paris: Gallimard, vol. 7 (Aliverti ed.), e vol. 8 (Aliverti e Consolini eds.).

Joel Anderson
Joel Anderson estudou na Universidade Queen Mary de Londres e na Université Paris VIII e frequentou a École Internationale de Théâtre Jacques Lecoq. Trabalhou com Augusto Boal e, mais tarde, com inúmeras companhias de teatro francesas, incluindo vários projectos com o Théâtre de l’Opprimé em Paris, e através da Europa, África e América do Sul. Além de trabalhar no sector do teatro profissional, actua em cinema, televisão e fotografia. Anteriormente, lecionou na Kingston University, na Brunel University London, na Queen Mary University de Londres, na HM Prison Pentonville e em várias escolas em França e na Grã-Bretanha. Nos últimos anos, leccionou seminários de doutoramento na Alemanha e no Chile, deu palestras na China e foi Professor Visitante no Instituto da Universidade de Londres em Paris. Atualmente, é membro do comité de aconselhamento científico externo do Centro de Estudos de Teatro da Universidade de Lisboa. Foi conferencista convidado e apresentou pesquisas em conferências académicas internacionais, incluindo, nos últimos anos, na Austrália, Canadá, Chile, China, República Tcheca, França, Coréia e EUA. Recentemente, deu palestras públicas na Asia House, em Londres, e no Festival Internacional Santiago a Mil no Chile. Foi consultor no Gabinete de Representação de Tapei na preparação para a sua selecção para o Edinburgh Fringe e fez seminários especializados para diretores artísticos chineses em Pequim. As suas publicações incluem inúmeros artigos e capítulos, e o seu livro Theatre & Photography foi publicado em 2014. Traduziu para o francês vários livros e artigos académicos, incluindo dois livros recentes do professor Patrice Pavis, além de romances, novelas gráficas e peças de teatro. Foi revisor para o Fudan Journal of the Humanities and Social Sciences, Theatre Journal, Theatre Survey, Fundação Aix-Marseille Université, Palgrave Macmillan e Routledge, e integrou o colégio de revisão por pares do Conselho Nacional de Pesquisa da Roménia. Foi membro do comité executivo do TaPRA, de 2005 a 2010. Anteriormente, foi examinador externo da Goldsmiths e da LASALLE College of the Arts, Singapura e PhD em diversas instituições.

Margarida Medeiros
Margarida Medeiros é Doutorada em Ciências da Comunicação, é Professor Auxiliar no Departamento de Ciências da Comunicação da FCSH/UNOVALisboa onde lecciona a cadeira de Cultura Visual e seminários de Imagens Contemporâneas e Fotografia e Cinema. É também Professora Assistente Convidada na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Margarida Medeiros é investigadora nas áreas da Teoria da Fotografia, Cultura Visual, História da Imagem, Estudos de Fotografia e Cinema. O seu trabalho tem estado focado no campo de pesquisa da Teoria da Fotografia. Tem publicado, realizado e organizado conferências sobre imagem fotográfica, nomeadamente através da possibilidade de trabalhar de forma multidisciplinar e de diferentes ocorrências (artísticas e não artísticas). Interessa-se não apenas pela percepção formal da fotografia, que pode ser explorada tanto pela semiótica quanto pela história da arte, mas também por uma abordagem psicológica e cultural, principalmente com a percepção da cultura visual. O seu objetivo é abordar imagens (fotografia, mas também cinema, vídeo) no seu contexto discursivo e como um nó de diferentes narrativas. Nesse sentido, ela também procura principalmente arquivos analógicos e o seu uso na cultura contemporânea. A sua pesquisa estende um diálogo sobre imagens técnicas que são principalmente interdisciplinares e interculturais. Mais especificamente, ela tem trabalhado sobre imagens médicas e científicas (como imagens de raios X) e a sua apropriação pela arte, bem como sobre fotografia espírita e na relação entre a fotografia e a representação do invisível. Em 2011 e 2012 integrou o painel de avaliação de bolsas de pós-graduação financiadas pela FCT na área de Estudos Artísticos. Em 2013 integrou o painel externo para a avaliação das candidaturas aos contratos de pós-doutorado da FCT. É membro de várias comissões de arte e fotografia, como BesPHOTO ou FNAC Photography, Encontros da Imagem de Braga. Publicou livros e numerosos artigos em vários jornais e revistas. Entre outras publicações, publicou Fotogramas – Ensaios sobre a Fotografia (Documenta, 2015); Fotografia e cinema – após 50 anos de La Jetée, de Chris Marker (Cambridge Scholars Publishers, 2015).

Membros da equipa

Maria João Monteiro Brilhante – Investigadora
Doutora em Literatura Francesa pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é Professora Associada da mesma Faculdade em que leciona, desde 1979, e desde os anos 90 tanto na Licenciatura em Estudos Artísticos como nos cursos de Mestrado e Doutoramento em Estudos de Teatro. Dirigiu o Centro de Estudos Teatrais (CET-FLUL) em 1996-2000, 2004-2008 e de 2017 até 2019. É Investigadora Sénior e responsável pelos projetos de investigação Textos do Teatro de Autores Portugueses Quinhentistas e OPSIS: base iconográfica do teatro em Portugal, ambos tendo recebido financiamento do Ministério da Ciência e Tecnologia. Foi também responsável pela coordenação em Portugal do projeto Texto e imagem: perspectivas críticas para investigação em Artes Cénicas, uma parceria entre as Universidades Federais do Estado do Rio de Janeiro, São Paulo e Lisboa (2008-2010). Foi Presidente do Conselho de Administração do Teatro Nacional D. Maria II e membro do Prémio Europa de Teatro. Publicou ensaios, organizou livros sobre literatura, tradução de textos de teatro, iconografia teatral, história do teatro e do espectáculo em Portugal.

Cláudia Maria Guerra Madeira – Investigadora
Cláudia Madeira é professora auxiliar e investigadora integrada no ICNOVA e colaboradora do IHA da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, sendo corresponsável nos dois centros pelo cluster Performance Arte & Performatividades nas Artes. Colabora ainda no CET/FLUL como investigadora da Linha de Investigação Teatro e Imagem. Realizou o pós-doutoramento intitulado Arte Social. Arte Performativa? (2009-12) e o doutoramento em Sociologia sobre Hibridismo nas Artes Performativas em Portugal (2007) no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. É autora dos livros Híbrido: Do Mito ao Paradigma Invasor? (Mundos Sociais, 2010) e Novos Notáveis: Os Programadores Culturais (Celta, 2002). Escreveu vários artigos sobre novas formas de hibridismo e performatividade nas artes. Lecciona na licenciatura e mestrados de Artes Cénicas e de Comunicação e Artes do Departamento de Ciências da Comunicação na NOVA FCSH. Recentemente, participou na curadoria da exposição Amélia, dedicada à relação de Amélia Rey Colaço com a fotografia (TNDM II, 2018) assim como na exposição José Marques: fotógrafo em cena (TNDM II, 2019).

Paulo Artur Ribeiro Baptista – Investigador

Arianna Novaga – Investigadora
Arianna Novaga é fotógrafa e historiadora de fotografia. Licenciada em arquitetura na IUAV em Veneza, obteve um doutoramento em História das Artes na Escola Interuniversitária de Doutoramento da Universidade Cà Foscari/IUAV/Universidade de Verona, com um projeto de investigação dedicado ao papel da fotografia no teatro de pesquisa contemporâneo. O seu campo de estudo inclui as relações entre fotografia, teatro e artes performativas e entre fotografia e comunicação visual-multimédia, tópicos sobre os quais trabalha desde 2007, com publicações em volumes e revistas italianas e estrangeiras. Foi membro de comissões científicas e participou em inúmeras conferências em Itália e em França dedicadas ao teatro, à fotografia, e às artes visuais e cénicas. Envolvida também no teatro multimédia, escreveu a dramaturgia de Death in/of Venice 2.0, uma performance que desde 2017 circulou em vários teatros italianos, e de L’ora d’aria, uma experimentação de cidadania digital teatral acessível na página homónima do Facebook. É diretora artística da Hodgepodge Imagezine e curadora do festival internacional de fotografia Grenze. Arsenali fotografici. Colabora também com o teatro Groggia em Veneza como consultora artística e curadora de exposições fotográficas. Atualmente, é professora auxiliar na IUSVE de Verona e Veneza e professora contratada na Universidade de Trieste-Gorizia.

Raquel Montez Raimundo – Investigadora em formação
Raquel Montez Raimundo é Licenciada em Estudos Artísticos – Artes do Espectáculo pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Neste momento é mestranda em Estudos de Teatro na mesma instituição a desenvolver uma dissertação sobre usos da imagem em cena. Esteve envolvida na gestão de vários arquivos teatrais, nomeadamente enquanto bolseira de iniciação científica (BIC) no projecto CETbase (2018-19), bolseira de investigação (BI) no projecto Perphoto (2020-2021), e atualmente tem uma Bolsa de Investigação no projecto Opsis, no Centro de Estudos de Teatro. Em 2019 executou e apresentou o seu primeiro projecto fotográfico, intitulado fotografias encenadas.

Bolsas e Estágios

Raquel Montez Raimundo (Bolsa de Investigação para Licenciada – 1/04/2020 a 31/03/2021)
Mariana Pancada (Estágio – 15/02/2021 a 15/05/2021)